16 fev 2019

Educação infantil: 3 contos para valorizar a amizade

Textos tratam da amizade, solidão e uma visão inclusiva, que vai além dos coleguinhas da mesma idade

No dicionário Aurélio Buarque de Holanda, a palavra amigo pode ser tanto um adjetivo quanto um substantivo, ou seja, amigo pode ser uma qualidade de uma pessoa ou o próprio amigo. Os significados são muito parecidos e dizem respeito a pessoas ligadas por laços de amizade.

A amizade é baseada em sentimentos como afeto, atenção, carinho, companheirismo, lealdade e proteção.

Por ser uma das relações interpessoais mais comuns, a amizade está presente no aprendizado das crianças. Na Educação Infantil, uma das formas mais comuns de explorar questões com as crianças é fazer a leitura de histórias, seguidas de uma conversa.

A seguir, você pode conhecer três contos que falam de amizade e como ela abre possibilidades para cada um.

Tita e Lola
O conto de Bel Assunção usa a figura de cachorrinhos para falar sobre solidão e amizade

“Tita era uma cachorrinha muito querida e mimada, mas que vivia sozinha o dia inteiro, a coitada.

É que seus donos passavam muitas horas trabalhando e Tita, sem outra escolha, ficava sempre esperando.

As horas passavam lentas, quase nada acontecia, os segundos se arrastavam, Tita acordava e dormia.

E quando chegava à noite era uma festa sem fim! Tita recebia os donos tremendo feito um pudim!”

Nino quer um amigo


Conto de Katia Canton sobre solidão e estima

“Nino, por que você está sempre tão sério e cabisbaixo?

Nino vivia triste. Ele se sentia sozinho. Ninguém queria ser amigo dele.

Pobre Nino.

Um dia, na praia, ele ficou esperançoso de encontrar um amigo.

– Ah, um menino. Quem sabe…, e tentou chegar perto dele.
Mas o menino virou para o lado, cavou um buraco.
E ainda jogou areia no Nino.”

Dona Cotinha, Tom e Gato Joca

Conto de Cléo Busatto sobre a amizade lúdica de um menino, uma senhora e um gato

“Em frente à minha casa tem outra casa, pequena, de madeira, azul com janelas brancas. Está no fim de um terreno enorme com muitas árvores. Para mim aquilo é o que chamam de floresta. Tom diz que é um quintal. Ali mora dona Cotinha, uma velhinha que tem cabelos lilás e dirige um Fusquinha vermelho. Esse passou a ser meu esconderijo. Dona Cotinha sempre aparece com um prato de comida. Diz:

– Vem, gatinho. Olha só o que eu trouxe para você.”

Deixe uma resposta